PSD admite avançar com queixa-crime contra presidente da câmara de Paredes devido a problema ambiental no Rio Ferreira

Publicado em Publicado por: O Paredense

O PSD-Paredes anunciou que pondera avançar com uma queixa-crime contra o presidente da câmara de Paredes pelo crime ambiental que está a cometer no Rio Ferreira.

Em causa estão os problemas de poluição do Rio Ferreira causados pelo mau funcionamento da ETAR de Arreigada, em Paços de Ferreira, uma situação que se arrasta há vários anos e que continua a prejudicar as populações das freguesias de Lordelo e Rebordosa, no concelho de Paredes.

Num comunicado enviado ontem às redações, o presidente do PSD-Paredes e vereador na câmara municipal, acusa o autarca de “mentir aos paredenses” e de “permitir que acontecessem graves problemas ambientais durante todos estes anos”.

A situação é insuportável para as populações de Lordelo e Rebordosa. Há infelizmente pessoas a sofrer com as consequências da poluição do Rio Ferreira, tanto a nível de saúde como a nível económico. No concelho de Paredes há um responsável por esta situação, devido às suas ações e sobretudo às suas omissões: Alexandre Almeida. Este edil, e está em diversas atas de reunião de câmara, promete desde 2018 a resolução deste flagelo ambiental. Afinal Alexandre Almeida andou a mentir aos paredenses e a permitir que acontecessem graves problemas ambientais durante todos estes anos”, acusa Ricardo Sousa.

O social-democrata sustenta que na última reunião de câmara em que foi questionado pelo PSD sobre o assunto o autarca confessou que “o problema do Rio Ferreira terá de ser resolvido pelo Governo”.

“Há anos que o PSD, de forma recorrente, seja através dos vereadores, seja do presidente da junta de freguesia de Lordelo e até dos deputados da Assembleia da República, vem alertando para a gravidade da situação e para a ineficácia da solução existente. A ETAR da Arreigada é uma solução manifestamente insuficiente para esta grave situação. Alexandre Almeida optou sempre por ignorar os avisos que lhe foram sendo feitos de vários quadrantes, apresentava sempre uma resposta de algibeira, do género agora é que vai ser. Mas infelizmente, nunca foi!”, argumenta.

Depois de várias reuniões com o autarca de Paços de Ferreira, e de se ter posto em cima da mesa uma ligação da ETAR de Arreigada, Paços de Ferreira, à ETAR de Campo, em Valongo, para resolver o problema da falta de capacidade de tratamento, o autarca referiu agora que essa solução não resolveria o problema.

“Nada passou de promessas. Alexandre Almeida enganou os paredenses mormente as populações de Lordelo e de Rebordosa. Tem que ser punido por esta falsa promessa que colocou em causa, a saúde e o bem-estar das populações”, refutou Ricardo Sousa, acrescentando que o Rio Ferreira é agora “um esgoto a céu aberto”, deixando a população indignada com este crime ambiental.

Além de se queixarem do “cheiro intenso e sujidade permanentes”, o presidente do PSD Paredes diz que alguns moradores chegaram mesmo a mudar de casa e que há análises que comprovam que a água do rio está contaminada com salmonelas e bactérias.

Contactada a câmara de Paredes, remeteu explicações para as declarações do presidente na reunião do executivo. Alexandre Almeida garantiu que “terá de ser feito um novo investimento de raiz para colocar uma ETAR definitivamente a funcionar como deveria” e que a câmara de Paços de Ferreira concluiu que os equipamentos não funcionam como era suposto e já avançou com uma ação em tribunal contra a empresa responsável pela instalação da ETAR.  

Segundo o autarca, “terá de ser feita uma nova ETAR que vai complementar a que já existe, com tecnologia diferente. Porque aquela não só falhou na tecnologia, mas pelo que está a ser verificado, mesmo que a tecnologia não falhasse, iria ser insuficiente para tratar os efluentes para os quais estava destinada”.