PSD acusa câmara de Paredes de “esconder” unidade de tratamento de resíduos que vai ser instalada em Baltar-Parada

Publicado em Publicado por: O Paredense

O PSD-Paredes acusou ontem, em conferência de imprensa, a câmara de Paredes de esconder o projeto de construção de uma unidade de tratamento mecânico e biológico no parque empresarial de Baltar-Parada, em Paredes.

Ricardo Sousa, líder do PSD e candidato à câmara, garantiu que a candidatura da Ambisousa deverá ser apresentada nos próximos dias, exigindo saber que critérios levaram à opção por Paredes e as razões para ninguém ter sido ouvido no processo.

“Sabemos que vai ser apresentada uma candidatura para a construção de uma unidade de tratamento mecânico e biológico no parque industrial Baltar-Parada, com as devidas consequências que daí advêm. É uma candidatura da Ambisousa para tratamento de resíduos urbanos na primeira fase e à posteriori todos os outros. Da Ambisousa fazem parte seis municípios. Queremos saber o porque desta escolha recair em Paredes?”, começou por apontar o social-democrata.

“As populações foram consultadas? Os presidentes de junta, as pessoas que ali habitam e as empresas sabem deste investimento?”, questionou, acusando a câmara de Paredes de estar a “esconder” o projeto para depois aparecer com o “facto já consumado”.

Ricardo Sousa considerou que este investimento terá um impacto negativo “para o futuro daquela zona” e garantiu que “não foram apesentados quaisquer estudos para sabermos que aquela foi a melhor opção”. “Sabemos que estas unidades têm de existir, mas temos de ter a maior responsabilidade e discussão possível”, argumentou o candidato do PSD à câmara de Paredes, criticando a falta de discussão sobre o projeto.

“Estas unidades a serem colocadas são definitivas. Já não se trata de um aterro transitório como todos os outros. Devia ter havido um estudo transparente que permitisse saber qual a melhor área de entre os seis concelhos para instalar esta unidade. Tenho dúvidas que de facto seja Paredes que reúna as melhores condições”, frisou.

Contactada a câmara de Paredes esclarece que não está em causa “qualquer novo aterro da Ambisousa em Paredes” e que “não há previsão de mais aterros, além dos já existentes e que servem os seis municípios do Vale do Sousa da esfera da Ambisousa”.

Numa resposta escrita enviada ao Paredense, a autarquia refere ainda que “a candidatura da Ambisousa diz respeito à instalação, no Parque Empresarial de Parada-Baltar, de uma unidade industrial que vai transformar os resíduos orgânicos biogás. Trata-se de uma localização de acolhimento de indústrias”.

O projeto industrial da Ambisousa é apoiado pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), “cumprindo todos os imperativos legais e que em nada interfere com as indústrias instaladas na Zona Industrial de Parada-Baltar”, acrescenta a autarquia.