“Não vai haver odores, nenhuns”, população de Baltar pode respirar de alívio

Publicado em Publicado por: O Paredense

Unidade de Valorização de Resíduos Orgânicos arranca no início de 2023.

O Conselho de Administração da Ambisousa – Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos apresentou, na terça-feira, dia 13, as conclusões do relatório da Universidade de Aveiro sobre a instalação e funcionamento da Unidade de Valorização de Resíduos Orgânicos que vai ser construída na Zona Industrial de Parada/Baltar, em Paredes.

Perante a apresentação de quatro cenários de tratamento, foi escolhida a opção que dá mais garantias de ser mais eficiente a neutralizar, por completo, qualquer tipo de odores. “Apesar de ser mais cara do ponto de vista da execução, é aquela que assegura garantia total de segurança e de inexistência de impactos”, assegurou o presidente da Ambisousa, Antonino de Sousa, acrescentando: “Escolhemos a que nos dá absoluta garantia. Não vai haver odores em Baltar, nenhuns. A quarta solução é infalível.”

Antonino de Sousa, presidente da Ambisousa

O também autarca de Penafiel explicou que a divulgação destes resultados, antes do arranque da obra, prevista para o início de 2023, vem dar cumprimento aos compromissos com o autarca de Paredes e com a população. “Comprometemo-nos que a obra não teria início sem um estudo de impacte ambiental de uma unidade externa, isenta e fiável que nos assegurasse que deste projeto não resultaria nenhum impacto ambiental para a comunidade”, assegurou, frisando: “Queremos ter uma unidade de tratamento de biorresíduos das mais modernas do país e até da europa, mas queremos, sobretudo, que isso não se traduza em nenhum dano para a qualidade de vida das nossas populações, em particular as mais próximas da unidade.”

A notícia completa na edição de 15 de dezembro de 2022