Candidato do BE quer uma câmara que dê prioridade à coesão social e territorial e defenda a habitação e o ambiente

Publicado em Publicado por: O Paredense
Foto: DR.

“Para que a crise pandémica não se transforme em devastação da nossa economia e democracia, este é o momento de dar prioridade à coesão social e territorial e de ter a coragem de enfrentar os grandes poderes económicos para defender a habitação e o ambiente”, afirmou o candidato do Bloco de Esquerda à câmara de Paredes, na apresentação da candidatura em Rebordosa.

João Pedro Ferreira destacou que “a crise pandémica revelou as enormes fragilidades do município e agravou as desigualdades de sempre”, mas também revelou “solidariedade e empenho das populações” e acusou a autarquia de nada ter feito para “travar o aumento das desigualdades”, ao “abandonar tanta gente à sua sorte”.

O candidato disse que nas próximas eleições autárquicas, devemos “responder à crise com a força da solidariedade”, “juntando forças no apoio aos mais vulneráveis e na resposta às crises estruturais do país”.

“A política local é a primeira linha na resposta à crise e não deixamos ninguém para trás”, frisou João Pedro Ferreira, recusando “a política do ódio, que se alimenta do desespero e só acrescenta crise à crise”.

Ainda sobre a crise pandémica, João Pedro Ferreira acusou o executivo camarário de ter “falhado na testagem e fiscalização”, colocando Paredes entre os quatro concelhos mais afetados do país durante os momentos mais graves da pandemia.

“Precisamos de uma política de testagem mais abrangente, com especial incidência nas escolas e nos grupos não vacinados”, disse no discurso de apresentação.

“Precisamos de um canil maior e de políticas de esterilização e adoção mais eficazes”

Responder à crise social e económica criada pela pandemia é um dos eixos da candidatura do BE que pretende também garantir o direito à habitação, lutar pelo clima e mudar a mobilidade, combater as desigualdades sociais e reforçar os serviços públicos e defender a igualdade plena e a democracia e transparência.

Foto: DR.

Em Rebordosa, João Pedro Ferreira abordou ainda a questão dos animais, garantindo que Paredes está entre os quatro concelhos com mais animais abatidos. “A resposta da câmara a esta prática ilegal, cruel e desumana é insuficiente. Precisamos de um canil maior e de políticas de esterilização e adoção mais eficazes”, frisou.

Outra área onde o BE pretende intervir é a habitação, que tem de ser garantida para todos, assim como a mobilidade no concelho, sendo também necessário melhorar a rede de transporte coletivos.

No ambiente, João Pedro Ferreira destacou que “os rios Ferreira e Sousa continuam esgotos a céu aberto” e apesar das câmaras de Paredes e Paços de Ferreira e o Governo serem do Partido Socialista, apenas foram feitas “promessas vazias”, o que demonstra “completa falta de interesse na resolução dos problemas ambientais do concelho”.

Sobre a oferta cultural que é “praticamente inexistente e extremamente centralizada”, o candidato disse ser necessário “apoiar os artistas do concelho, os eventos culturais criados por grupos de cidadãos e também o desporto amador”.

João Pedro Ferreira 25 anos, vive em Astromil, Paredes, e é licenciado em Línguas, Literaturas e Culturas, Na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Américo Campos é o mandatário da candidatura do BE em Paredes que vai concorrer a 10 freguesias do concelho. Mónica Ferreira, 42 anos, residente em Rebordosa, é a candidata à Assembleia Municipal.