Câmara de Paredes quer garantias da APA sobre funcionamento da ETAR de Arreigada. Alternativa pode passar por novo emissário

Publicado em Publicado por: O Paredense
Foto: Arquivo.

O presidente da câmara de Paredes disse esta quinta-feira, em reunião do executivo, que pediu garantias à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) sobre o funcionamento da ETAR de Arreigada.

Se o equipamento não ficar a trabalhar em pleno a câmara de Paredes quer que seja colocado um emissário até à ETAR de Campo para evitar mais poluição no Rio Ferreira.

“Não podemos continuar à espera que a ETAR de Arreigada passe a funcionar em pleno. Ou nos dão garantias e datas de que a ETAR fica a funcionar em pleno e resolve o problema, senão vai ter que se avançar para a construção de um emissário, um grande tubo que vai levar a água diretamente desde a saída da ETAR de Arreigada até à ETAR de Campo, evitando que passe pelo Rio Ferreira”, frisou.

O autarca respondia às questões feitas pelo vereador do PSD, Ricardo Sousa, na primeira reunião do executivo, sobre este “problema grave que afeta o concelho e em particular as cidades de Lordelo e Rebordosa”. “Quais são os passos a dar e as responsabilidades a pedir, nomeadamente ao município de Paços de Ferreira e ao seu edil, que tem feito ouvidos moucos às palavras que vêm deste lado e prejudicado muito o concelho e particularmente estas duas cidades?”, questionou o social-democrata.

Em resposta, Alexandre Almeida assumiu que “uma das preocupações este mandato em Lordelo é resolver a questão da ETAR de Arreigada de uma vez por todas”.

“Havia um compromisso do município de Paços de Ferreira de que com esta nova ETAR o problema seria ultrapassado, mas o que é certo é que a ETAR ainda não está a trabalhar em pleno e nós não podemos continuar à espera”, argumentou Alexandre Almeida.

“Estamos em negociações com a APA para que nos sejam dadas garantias de que a ETAR a funcionar em pleno resolve o problema ou então vai ter que haver um emissário que leve as águas que resultam da ETAR de Arreigada para a ETAR de Campo, evitando que passe pelo rio Ferreira. Não podemos estar a requalificar o parque e ter aquelas águas a sujar as margens”, frisou.

Na mesma reunião, Manuel Pinho, candidato do Movimento Juntos por Paredes à câmara de Paredes nas últimas autárquicas, considerou “positiva” a solução do coletor e deixou um apelo ao presidente da câmara. “Gostaria que fosse mais exigente com a APA e que se tornasse uma obrigatoriedade colocar coletores de maneira a proteger toda a população de Lordelo e do concelho”.

Na intervenção feita no período destinado às questões do público, Manuel Pinho questionou ainda o autarca sobre a situação do processo judicial intentado contra o município de Paços de Ferreira em 2017.

“O processo está a desenrolar-se no tribunal e aguardamos com expectativa o desfecho”, respondeu Alexandre Almeida.