Bruno Silva: “Já deixei o meu nome escrito na história do ciclismo português”

Publicado em Publicado por: O Paredense

Bruno Silva conquistou o Prémio de Montanha da 82.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta. O atleta paredense, que veste a camisola da Antarte-Feirense, somou 57 pontos durante as dez etapas da prova, terminando a participação com mais um ponto que Maurício Moreira, da Epafel, e mais três que Amaro Antunes, da W52/FC Porto.

O atleta de 33 anos, natural de Vilela, tornou-se “Rei da Montanha” pela segunda vez na sua carreira e falou ao Paredense sobre a importância deste prémio.

No último fim de semana esteve na discussão do trofeu do Grande Prémio Jornal de Notícias. O 6.º lugar da geral foi o resultado que esperava?

Foram mais seis longos dias de competição. Fui com o objetivo de ajudar o nosso líder, mas acabei por ficar numa posição para discutir o prémio. A equipa esteve ao meu lado e o 6.º lugar foi bom. Acabei por conquistar a camisola autarquia que me fez subir ao pódio mais uma vez.

Já tinha subido ao pódio final da Volta a Portugal em Viseu. Qual o sentimento de voltar a envergar a camisola de montanha seis anos depois?

Em 2015 foi um sonho tornado realidade, um sonho que sempre tive, ganhar uma camisola na Volta a Portugal. Este ano foi mais que um sonho. Esta camisola foi discutida ponto a ponto, foi sofrer ao máximo, por vezes até passar o meu limite físico para a conseguir. Mas quanto maior é a dificuldade, melhor é o sabor da vitória. Foi com esse sentimento que cheguei a Viseu, com o realizar de novo desse sonho, com um sabor muito especial.

A entrevista completa na edição de 9 de setembro de 2021. Aceda à edição online aqui.