António Costa enalteceu “obra feita” em Paredes e a “missão dos municípios” na aplicação dos fundos do PRR

Publicado em Publicado por: O Paredense

O secretário-geral do PS, António Costa, enalteceu, em Paredes, “a missão absolutamente fundamental dos municípios” na aplicação dos fundos comunitários que o país vai receber do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

O líder socialista esteve em Cete, Paredes, num comício de apoio ao atual autarca e candidato pelo PS, Alexandre Almeida,

No Parque Urbano de Cete, onde discursou para algumas centenas de apoiantes, António Costa defendeu que entre o programa Portugal 2030 e o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), as empresas vão dispor, nos próximos seis anos, “do dobro daquilo que tiveram nos seis anos anteriores”.

“Do atual Portugal 2020 as empresas tiveram, em apoios dos fundos europeus, cinco mil milhões de euros. No próximo Portugal 2030 vão ter seis mil milhões de euros. O PRR disponibiliza para a capitalização das empresas, e para investir na inovação tecnológica, 2.930 milhões de euros, para além dos fundos em reserva de 2.300 milhões de euros que também serão mobilizados se, nos próximos seis anos, as empresas forem capazes de absorver os 2.930 milhões de euros já previstos”, sustentou.

António Costa afirmou que “o casamento” entre o Estado e os municípios “é absolutamente essencial” e que o Estado deve “criar condições para que os municípios possam ter melhores condições de atração para a sua terra e +ara as empresas que ajudam a desenvolver o território”.

“E a missão dos municípios é absolutamente fundamental, porque são eles que conhecem o território, o tecido empresarial, os recursos humanos que existem em cada terra, e são eles que estão em melhores condições de fazer a ponte entre aquilo que são as necessidades de formação profissional, da requalificação profissional, no investimento na formação dos jovens e das crianças, nas necessidades das empresas (…) que podem investir com confiança e segurança para ajudar a desenvolver cada um destes territórios”, salientou.

Num momento de viragem para o país, é preciso “fazer mais e mais depressa” para “pôr no terreno as oportunidades que o PRR abre ao país”, nomeadamente na concretização de uma estratégia de habitação social e arrendamento acessível e na criação de áreas de localização empresarial, com condições para que as empresas façam a transição energética sem custos acrescidos.

António Costa deixou ainda uma palavra sobre ao candidato do PS Alexandre Almeida, que disse ser um motivo de “orgulho” para o Partido Socialista.

“Há 4 anos Paredes apostou e ganhou com a mudança. Quatro anos depois é hoje um grande motivo de orgulho para o Partido Socialista ver o trabalho, a obra e a energia que Alexandre Almeida tem para continuar o seu mandato por mais quatro anos”, sublinhou.

Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do PS Porto, também teceu elogios aos candidatos às juntas de freguesia, câmara e assembleia municipal de Paredes e ao presidente da câmara que “é o orgulho de Paredes, do PS e do poder local”. “Alexandre Almeida merece o voto do povo de Paredes e tenho a certeza que é nele que o povo vai votar para melhorar a vida de Paredes”, frisou.

O atual presidente de câmara e recandidato a um segundo mandato pelo PS falou do trabalho que ainda há para fazer no concelho, que tem “uma das piores taxas de cobertura de saneamento do país e da Área Metropolitana do Porto”.

“Contamos com a ajuda do Governo para que o saneamento seja uma realidade em todas as freguesias do concelho já a partir de janeiro de 2022”, frisou, prometendo investir também em mais habitação social no concelho e habitação a preços controlados para os mais jovens com o apoio dos fundos do PRR.

Alexandre Almeida destacou ainda a necessidade de continuar a alargar as zonas industriais do concelho e criar novas áreas para fixar mais empresas e criar postos de trabalho qualificados.