Rebordosa e Canelas empatam e adiam decisões

Publicado em Publicado por: O Paredense

Texto escrito por Cristina Borges.

A duas jornadas do fim do play-off de apuramento de subida ao Campeonato de Portugal, o Rebordosa recebeu o Canelas, num jogo que terminou empatado a uma bola.

Com uma bancada bem preenchida no Estádio do Azevido, os homens da casa não queriam defraudar as expectativas do seu público e entraram fortes na partida.

Com maior domínio e mais oportunidades de golo, o Rebordosa ia ameaçando a baliza dos gaienses. Miguel Gomes obrigou mesmo à intervenção de João Matos, que protagonizou uma decisiva defesa após o remate do camisola 13. Ainda assim, o guardião visitante nada pôde fazer para evitar o golo de Ricardo Teixeira, que colocou os da casa em vantagem, à passagem da meia hora.

O Canelas procurava reagir, mas foi Migas a desperdiçar uma oportunidade clara para a ampliar a vantagem antes da ida para o intervalo.

No segundo tempo, o conjunto orientado por Tonanha voltou a desaproveitar uma ocasião flagrante de golo e permitiu aos homens de Vila Nova de Gaia tomarem conta do jogo. Em duas situações, Rafa esteve perto de festejar, mas foi Penantes a concretizar. A turma de Milton Ribeiro chegou ao empate, a cinco minutos do fim.

Até ao final da partida, as hipóteses de golo repartiram-se, se nenhum das equipas ter conseguido concretizar.

O empate deixa o Rebordosa no 3º lugar do play-off, com cinco pontos. Já, o Canelas tem mais três e ocupa a segunda posição.


Tonanha: “Resultado cruel”

No final do encontro, Tonanha mostrava-se dissaboroso com o resultado final: “A palavra que me ocorre é cruel. Acho que fomos sempre a melhor equipa em campo, tivemos mais oportunidades de golo e não me lembro do nosso guarda-redes ter feito alguma defesa. Sofrer o golo, mesmo a terminar o encontro, foi muito cruel.” Ainda assim, o técnico rebordosense assumiu: “Faltou-nos, sobretudo, eficácia. Se tivéssemos concretizado 50% das oportunidades que tivemos tínhamos ganho. Também tivemos alguma infelicidade, mas essa faz parte do futebol.”

Apesar do resultado, Tonanha deixou uma palavra de elogio aos seus atletas: “Tenho muito orgulho nos meus jogadores, fizeram uma boa exibição e mostraram o porquê de terem sido campeões de série. Estamos na luta e temos de ir a Valadares ganhar. Será uma verdadeira final. Não vai ser fácil, mas com estes jogadores, eu acredito. No próximo jogo, vamos a Valadares com o único objetivo de vencer e garantir o apuramento, que era muito justo.”

Milton Ribeiro: “Conquistar um ponto foi um mal menor”

Do outro lado, Milton Ribeiro assumia a má entrada da sua equipa na partida, mas salientava o facto de o Canelas depender de si próprio para garantir a subida: “Nós não entrámos bem no jogo, nem a fazer aquilo que foi pedido, embora o Rebordosa tenha chegado ao golo num lance furtuito. Na segunda parte, acho que o Canelas foi totalmente superior. Contudo, não posso esconder que, já no final, percebi que o resultado podia dar para os dois lados e percebemos que o ponto acabava por ser o mal menor, porque nos mantém vivos. Continuamos a depender só de nós, que era aquilo que pretendíamos.”

O técnico do clube gaiense vinha preparado para as dificuldades “O Rebordosa é uma equipa com história, que joga sempre o jogo pelo jogo e que tem jogadores que são agressivos, empenhados e competitivos. Foi um jogo muito competitivo, porque se defrontaram duas equipas que querem ser campeãs e, quando assim é, num play-off tão curto, lutam até à exaustão” e admite que “Faltam-nos competência nos 90 minutos, fomos apenas competentes nos segundos 45 e isso não foi suficiente.”

Milton Ribeiro recusa favoritismo e lembra: “Desde o início que sabíamos que esta seria uma fase muito complicada, independentemente, da época que fizemos. Isso não nos daria qualquer vantagem e está demonstrado, a cada jogo que passa, que as coisas se tornam ainda mais difíceis. Já tinha dito aos meus jogadores que, por um ponto se vai subir, por um ponto se vai ficar.”

Share This: