Personalidades de Paredes defendem remunicipalização das Laranjeiras

Publicado em Publicado por: O Paredense

Laranjeiras

Várias personalidades do concelho de Paredes – de áreas abrangentes como educação, desporto, política, economia e direito – subscreveram um manifesto que exige a devolução do Complexo Desportivo das Laranjeiras à comunidade paredense.

O Movimento Cívico tem estado nas últimas semanas a recolher assinaturas em vários cafés e estabelecimentos comerciais e a sensibilizar a população para a importância daqueles equipamentos para a cidade de Paredes.

O Movimento “Manifesto pelas Laranjeiras” defende a remunicipalização dos equipamentos (Pavilhão Gimnodesportivo, Estádio das Laranjeiras e campo de treinos) que em 2008 foram vendidos pela câmara de Paredes à Guedol Engenharia, S.A, por 8,5 milhões de euros. Na altura a empresa pretendia contruir um centro comercial, mas o projeto não chegou a avançar por sucessivos processos judiciais e a Guedol, S.A. acabou por ser declarada insolvente.

O património está agora à venda em hasta pública por 1,4 milhões de euros, verba que os subscritores do manifesto consideram ser aceitável para que a autarquia possa readquirir os imóveis. Para isso, avançaram com um movimento cívico que exige a intervenção da câmara.

O “Manifesto pelas Laranjeiras” já foi subscrito por dezenas de figuras da cidade de Paredes, entre elas estão o presidente da Fundação Nortecoope, Joaquim Faria, o antigo jogador do União de Paredes, Quim Ferraz, os jornalistas paredenses Carlos Daniel e Alves Mateus, o antigo presidente da câmara de Paredes, Jorge Malheiro, o ex-vereador Manuel Ruão, o diretor da escola secundária de Paredes, Francisco Queirós.

 

Leia a notícia completa na edição em papel de 26 de janeiro de 2017 ou subscreva a edição online.

 

Share This: