Paredes sente-se “prejudicado” pelo formato definido para a subida à II Divisão de Hóquei em Patins

Publicado em Publicado por: O Paredense
FOTO. Facebook do USC Paredes Hóquei em Patins.

O União de Paredes sente-se “prejudicado” com o critério escolhido pela Federação de Patinagem de Portugal (FPP) para proceder às promoções no acesso à II Liga Nacional.

Apesar de se encontrar empatado com o Maia no 2.º lugar do Campeonato Nacional III Divisão Zona Norte, e ter um jogo a menos que o Póvoa, líder da prova, o Paredes não terá acesso direto à liguilha de promoção, como aconteceu com o Póvoa, tendo de disputar primeiro uma pré-liguilha com o Maia e o Marco para garantir o acesso à próxima fase.

O responsável pela secção de hóquei em patins do Paredes considera injusta a decisão de incluir apenas o 2.º 3.º e 4.º classificados nesta prova.

“Em igualdade de jogos nós estaríamos empatados com o Póvoa em 1.º lugar e por isso não achamos correto que o Póvoa passe diretamente à liguilha e o Paredes tenha de fazer uma pré-liguilha. O critério põe em causa a verdade desportiva. Numa liguilha a três, para apurar uma equipa, temos 33% de probabilidade de passar, enquanto numa liguilha a quatro em que passam dois a probabilidade de passarmos é de 50%”, sublinha Carlos Seabra.

Num cenário justo, diz o responsável, a pré-liguilha teria de ser realizada com os quatro primeiros classificados da série, incluindo o Póvoa, ficando apurados dois clubes para disputar o acesso à II Liga, juntamente com os clubes despromovidos e os primeiros classificados das duas séries da Zona Norte.

“Se o Póvoa estivesse destacado em primeiro lugar podíamos considerar que havia verdade desportiva, mas se em igualdade de jogos eles ficariam empatados connosco, não podiam ter acesso direto e nós sermos obrigados a disputar a pré-liguilha”.

Apesar de se sentir prejudicado, o Paredes não vai pôr em causa a possibilidade de disputar a subida, garante Carlos Seabra, admitindo que o plantel para a próxima época já foi fechado com esse pressuposto. “Já fizemos chegar o nosso descontentamento à federação, mas vamos disputar dentro da pista nos moldes que forem decididos até porque a subida de divisão sempre foi a nossa aposta. Este ano estávamos em posição privilegiada porque já tínhamos feito todos os jogos fora com os adversários diretos e tínhamos um jogo a menos e ainda íamos jogar em casa com o primeiro classificado”.

Os clubes têm até segunda-feira para comunicar à FPP se pretendem ou não participar, devendo depois o organismo anunciar os moldes finais da competição, que deverá ser realizada em setembro.

Share This: