Foi preciso paciência

Publicado em Publicado por: O Paredense

Texto escrito por Cristina Borges.

Depois da derrota da ronda anterior, o Rebordosa recebeu o Vila Caiz com o objetivo de “recuperar ânimo” na caminhada 2019 /2020. Numa jornada em que os dois emblemas cimeiros se defrontavam (Tirsense e Sobrado), os rebordosenses tinham obrigação de aproveitar o embate entre os dois adversários. Para isso tentaram “resolver rápido a questão” e, aos 10 minutos, já venciam por 1 – 0. Vítor Teixeira rematou dentro da área e colocou os da casa em vantagem.

Em superioridade no marcador, o Rebordosa mostrou paciência e sensatez na busca pelo 2 – 0.Cláudio, à entrada da área, rematou por cima.

O Vila Caiz também mostrou querer lutar pelos três pontos, mas o remate de Tiaguinho levou a mesma direção.

Pipo e Ricardo Teixeira também foram “tentando a sorte”, mas faltou “pontaria afinada” aos homens comandados por Tonanha. A formação da casa teve várias oportunidades para ampliar o marcador, mas a vantagem mínima foi mesmo o resultado ao intervalo.

No segundo tempo, o Rebordosa voltou a entrar paciente mas determinado em garantir a vitória. Teixeira voltou “a atirar ao alvo”, mas “a mira” voltou a falhar. O Vila Caiz também tentava “incomodar” Rica, a “tarefa” dos amarantinos pareceu ficar mais fácil com a expulsão de Rui Miguel, a 15 minutos do fim.

Apesar da insistência dos visitantes, os rebordosenses não “vacilaram” e conseguiram mesmo garantir a vitória. O Rebordosa é 5º com 33 pontos e está a cinco do 1º e a quatro do 2º classificado.

No final do jogo, Tonanha explicava a estratégia da equipa: “Foi um jogo que não foi muito fácil. Sabíamos que o Vila Caiz é uma equipa difícil de defrontar, utiliza blocos baixos e muito defensivos e que nos iria complicar no último terço do terreno. Tínhamos de ser pacientes e foi isso que fizemos, por isso, merecemos a vitória”. O técnico rebordosense esclareceu ainda os adeptos: “Nós montámos uma estratégia em que o mais importante era ter paciência. Eu sei que isso acaba por irritar os nossos adeptos, mas o futebol, por vezes, funciona assim. Os jogadores compreenderam o que lhes pedi e fizeram uma exibição conseguida”.

Sobre a importância reduzir a distância para o primeiro e segundo classificado, Tonanha assume: “é importante para chegarmos aos jogos de confronto direto e estarmos numa boa posição para conseguimos ultrapassar esses adversários, é esse o nosso objetivo até essa data”.

Do outro lado, Paulo Amor salientava a prestação dos atletas: “Uma derrota que custa a digerir. Penso que, pelo que fizemos na segunda parte, merecíamos o empate. Ficámos tristes pela derrota, mas felizes pela postura dos jogadores. Estou contente com a atitude dos atletas, menos contente com o resultado. Não é fácil vir defrontar uma das melhores equipas do campeonato e ter a prestação que nos tivemos, com personalidade e qualidade de jogo”.

Apesar de jogar em casa de uma das equipas favoritas deste campeonato, o técnico amarantino garantiu: “Respeitando todo o poderio que tem o Rebordosa, mas viemos aqui lutar pelos três pontos. Estávamos cientes da qualidade do adversário, mas para conseguirmos atingir os nossos objetivos o mais rapidamente possível, temos de lutar pelos três pontos em cada jogo. Foi isso que fizemos e temos apenas de nos penitenciar por um erro”.

 

Share This: