Filipe Carneiro: “Pela dedicação, esforço e entrega, merecíamos o primeiro lugar”

Publicado em Publicado por: O Paredense
Presidente do Aliados garante que o clube vai preparar a próxima época com os mesmos objetivos de sempre

Presidente do Aliados garante que o clube vai preparar a próxima época com os mesmos objetivos de sempre

A época podia ser de sonho, mas o Aliados de Lordelo acabou por deixar fugir a oportunidade de chegar aos nacionais. A derrota na última jornada do play-off de acesso ao Campeonato de Portugal, no terreno do Valadares, atirou o clube para o último lugar do grupo. O resultado afastou definitivamente a equipa do objetivo de chegar ao segundo lugar e continuar a sonhar com a subida de divisão.

Em entrevista ao nosso jornal, o presidente do clube, Filipe Carneiro, fez o balanço da época, falou da saída do treinador Pedro Barroso e dos objetivos para a próxima época.

Foi uma desilusão, o Aliados de Lordelo não ter conseguido garantir a subida?

Claro que sim, estaria a mentir se não o admitisse. Apesar de não ter sido o nosso objetivo inicial, pois a direção programou a época apenas para ser o mais tranquila possível, mas os resultados foram acontecendo e o objetivo traçado inicialmente ficou apenas a 5 pontos de ser atingido no final da 1.ª volta. Sabíamos que 45 pontos nos daria entre o 5.º e o 8.º lugar e assim ficaríamos acima do meio da tabela, o que se veio a confirmar pois o 7.º ficou com 45 pontos e esse era o nosso objetivo.

O que é que correu mal no play-off?

Tudo.

O último lugar do grupo acaba por ser um resultado injusto, tendo em conta o trabalho, esforço e dedicação da equipa?

Muito injusto, o grupo de trabalho merecia mais, quando digo mais não estou a falar do terceiro ou segundo lugar, pela dedicação, esforço e entrega da equipa merecíamos o primeiro lugar. O grupo sentia que era o melhor e que tínhamos mais do que argumentos para vencer todos os jogos, mas infelizmente o futebol é assim, foi 1 penalti falhado, o golo sofrido depois da hora, os 3 empates em casa, tudo correu mal.

 

Leia a entrevista completa na edição em papel de 28 de junho de 2018 ou subscreva a edição online.

Share This: