Empate no dérbi do concelho

Publicado em Publicado por: O Paredense

Texto de Cristina Borges.

Aconteceu na cidade de Gandra o dérbi da 15.ª jornada da Divisão Elite. A equipa local recebeu o Aliados de Lordelo num jogo que se aguardava com muita expectativa.

Ambas as equipas vinham de um empate na ronda anterior e procuravam dar uma resposta positiva. O Aliados foi o primeiro a tentar o golo, após a marcação de um livre, mas a bola saiu ao lado.

A equipa lordelense tinha mais posse de bola e quase se colocava em vantagem, valeu Bruninho, que tirou o esférico mesmo em cima da linha.

Apesar de menos bola, o Aliança de Gandra também procurava o tento e mostrou-se bastante eficaz. Aos 28 minutos, André Rocha colocou a bola no ângulo direito da baliza de Gouveia e deu vantagem aos da casa.

Dez minutos depois, Brandão negou o golo a Fonseca. Mas os visitantes iam mesmo festejar antes do intervalo. Luís Miguel deu com a mão dentro da área e o árbitro assinalou grande penalidade. Na conversão, Hélder não desperdiçou e empatou a partida antes do período de descanso.

No segundo tempo, os comandados de Juvenal Brandão voltaram a entrar melhores, mas foram os gandarenses os primeiros a criar perigo. Valeu Gouveia que negou o golo a Rato. Logo a seguir, Coelho rematou forte, mas a bola saiu ao lado. A mesma direção levou o pontapé de Diogo Almeida.

Num jogo acelerado e de ritmo intenso, as equipas mostravam vontade de vencer e não desistiam de procurar o golo. As oportunidades surgiam, mas a falta de acerto na finalização não causava “mexidas” no marcador.

No último minuto do jogo, o Aliados teve uma excelente oportunidade para vencer a partida, mas a bola passou a poucos centímetros do poste da baliza de Brandão.

Com o empate, o Aliados de Lordelo manteve-se no 4.º lugar com 24 pontos, os mesmos que Aliança de Gandra que é 5.º classificado.

No final do encontro, Mário Rocha considerava que a vitória do Aliança de Gandra seria o “resultado justo”: “Já sabíamos que ia ser um jogo difícil, porque o adversário tem uma grande equipa e muita qualidade. Aliado a isso tínhamos também o fator da ansiedade e alguma intranquilidade, que neste momento a minha equipa apresenta. Ainda assim, trabalhámos sobre isso ao longo da semana e fizemos uma boa primeira parte. O jogo foi equilibrado, mas o Gandra era um justo vencedor, se tivesse ido em vantagem para o intervalo. Não conseguimos e nos segundos 45 minutos, o jogo foi estável, mas por tudo o que se passou ao longo dos 90 minutos, acho que o Gandra seria um justo vencedor”. O técnico gandarense disse que “faltou discernimento no último passe da decisão, para que as coisas resultassem melhor para o nosso lado. No entanto, não posso deixar de dar os parabéns pela atitude e pela entrega que tiveram”.

Sobre os últimos resultados, Mário Rocha admitiu: “Tínhamos como objetivo chegar ao final da primeira volta com 30 pontos, temos 24, o campeonato está muito competitivo e vamos continuar a trabalhar”.

Questionado sobre a possibilidade de não continuar no comando técnico da equipa, o treinador do Gandra explicou: “Conversei com a direção, expus essa possibilidade, mas nem a direção, nem o balneário veem essa situação como solução para melhorar e após uma conversa entre todos decidimos manter o trabalho que temos vindo a fazer”.

Ao clube chegaram dois reforços, Kenny do Lixa e Cenoura da AD Oliveirense, “que pretendem ajudar o grupo e equilibra-lo, porque precisávamos de reforçar alguns setores. Está em aberto a entrada de mais um jogador, embora não esteja ainda nada acertado”, concluiu Mário Rocha.

Do outro lado, Juvenal Brandão também se mostrava satisfeito com a exibição dos seus atletas: “Foi um jogo intenso, bem disputado, emotivo, onde as duas equipas quiseram ganhar. Era importante que todas as equipas tivessem este espírito, jogassem com esta ambição, quisessem sempre ganhar, para que tivéssemos mais gente nos campos de futebol. Os jogadores deram tudo e fica o sentimento de dever cumprido. Os meus jogadores estão de parabéns, porque fizeram um jogo muito bom e acreditaram até ao fim”.

O Aliados entrou melhor em ambas as partidas, mas não conseguiu manter o ritmo intenso, fator explicado pelo técnico lordelense: “Era muito difícil manter o ritmo durante o jogo todo devido à intensidade e pressão do mesmo, mas os meus jogadores procuraram sempre ter essa forma de estar, o adversário tem qualidade e por isso também nos impediu”.

Questionado sobre a resposta dada pelo plantel ao empate da última jornada frente ao último classificado, Juvenal Brandão é perentório: “Foi uma boa resposta, porque temos tido bastantes dificuldades e adversidades e isso tem-nos condicionado, por isso, estamos muito satisfeito com os jogadores. Viemos aqui para ganhar e não para empatar. É este o nosso espírito, tentar evoluir todos os dias, fazer jogos positivos, encará-los todos para ganhar e no fim fazem-se as contas. Não temos ganho tantas vezes consecutivas devido também ao equilíbrio deste campeonato. Eu não estou a ver ninguém a disparar na classificação. Acho que vai ser assim até ao final e, por muito que os nossos adeptos possam ficar defraudados por olharem para a nossa equipa e verem bons jogadores e um bom jogo e não ainda não estarmos lá, nós estamos na luta”.

Sobre a entrada de novos jogadores, o treinador do Aliados responde: “Há a possibilidade de entrada de jogadores, mas estamos a ponderar isso com muita calma devido às restrições orçamentais. É evidente que há essa possibilidade, a quantidade é importante, mas temos de conciliar a qualidade dos atletas com os impedimentos financeiros”.

Share This: