Detidos por fraude com fundos comunitários vão aguardar julgamento em liberdade

Publicado em Publicado por: O Paredense

Os sete suspeitos de branqueamento e fraude fiscal com fundos comunitários que foram detidos na passada quinta-feira no âmbito da Operação “Prazo Final” vão ficar a aguardar julgamento em liberdade, conforme determinou hoje o Tribunal de Marco de Canaveses.

Os cinco homens e duas mulheres, com idades entre os 25 e os 50 anos, foi fixado como medida de coação o Termo de Identidade e Residência.

São suspeitos de se apropriarem de mais de três milhões de euros em subsídios comunitários e ainda da insolvência dolosa de uma empresa, a Wood One, situada em Lordelo, Paredes, que deixou um passivo de 10 milhões de euros, sendo o Estado Português o mais prejudicado.

A investigação da PJ e da Autoridade Tributária apontam o empresário Manuel Martins como o testa de ferro de um esquema de faturação fraudulenta, em concluío com outras sociedades.

Os suspeitos foram ouvidos na quinta e sexta-feira e, esta segunda-feira de manhã, voltaram ao Tribunal de Marco de Canaveses para conhecerem as medidas de coação.

A operação “Prazo Final” envolveu a participação de 70 investigadores da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária e inspetores tributários da Direção de Finanças do Porto da Autoridade Tributária. Foram realizadas 22 buscas domiciliárias e não domiciliárias nos concelhos de Paredes, Paços de Ferreira, Vila Nova de Gaia, Vila do Conde, Santa Maria da Feira e Matosinhos.

Share This: