Derrota frente ao último, “complica contas” em Recarei

Publicado em Publicado por: O Paredense

O Nun’Álvares entrou em campo já depois de saber que o líder da Divisão Elite, o Felgueiras B, tinha vencido frente ao Lousada B. Desta forma, a equipa recaredense estava assim “proibida” de perder pontos para não se atrasar ainda mais na luta por um dos lugares de subida de divisão.

A receção ao Fânzeres adquiria assim maior importância, mas o conjunto da casa não pareceu “ter a lição bem estudada” e permitiu que o adversário controlasse e dominasse a partida durante o primeiro tempo. A supremacia dos visitantes foi “carimbada” com dois golos em quatro minutos. Lecas inaugurou o marcador à passagem da meia hora, Joca dilatou a vantagem aos 34 minutos. Apesar da desvantagem, Paiva reduziu para os da casa, dois minutos depois.

1 – 2 era o resultado ao intervalo.

Na segunda parte, o jogo decorreu de forma equilibrada e disputada.

O Nun’Álvares protagonizou algumas oportunidades para inverter o resultado, mas o “desacerto” na hora de “atirar” à baliza “pagou-se caro” em Recarei.

O desaire complicou as contas para o Nun’Álvares que ocupa atualmente o 4.º lugar da tabela classificativa com 41 pontos, menos do que o 2.º classificado, o Gens, e a seis do líder, Felgueiras B. O Estrelas de Fânzeres é último classificado com 15 pontos.

 

No final do jogo, Eduardo Moreira analisou a partida: “Fizemos uma primeira parte em que demos 45 minutos de avanço, não fomos a jogo e o adversário mereceu estar a vencer. A segunda parte foi mal jogada da nossa parte, mas ainda assim criámos mais do que oportunidades para vencer o jogo”.

Sobre as explicações para a derrota, o técnico recaredense foi parco em palavras: “As explicações podem ser várias e os motivos muitos, mas vou apenas ficar pela displicência e pelo pensamento de que o jogo estava ganho antes dele mesmo começar”.

Já em relação à classificação obtida até ao momento, Eduardo Moreira atira: “Estamos no lugar que merecemos, mas estamos a apenas dois pontos do segundo lugar”. Para o técnico, “os objetivos já foram mais do que conseguidos. Os atletas são excecionais e tentam sempre fazer o seu melhor, por vezes, não conseguem, mas respeitam tudo e todos”.

Sobre a contestação dos adeptos, Eduardo garante compreender, mas não aceitar e explica porquê: “Sabem lá eles o que passámos durante a semana para nos prepararmos para o jogo. As adversidades que temos de jornada para jornada, há sempre alguma coisa que nos trava o planeamento. Os resultados muitas vezes não são o espelho do trabalho”.

Share This: