Contas aprovadas com abstenção de PSD e CDS

Publicado em Publicado por: O Paredense

Os documentos de prestação de contas do ano de 2018 foram aprovados com 24 votos a favor, e a abstenção dos eleitos do PSD e do CDS-PP.

A discussão dos documentos ficou mais uma vez marcada pelas opiniões divergentes entre PS e PSD sobre o estado das contas da autarquia. Rui Silva do PS defendeu que o ano de 2018, o primeiro do executivo socialista, foi marcado por uma “gestão transparente, responsável e cuidada, onde o rigor e a eficiência estiveram sempre presentes”.

“Em 2018 houve, pela primeira vez em vários anos, uma regressão no aumento do passivo, de 7 milhões de euros. As dívidas de curto prazo baixaram três milhões de euros, os empréstimos de curto prazo diminuíram 1,8 milhões e as dívidas a fornecedores dois milhões de euros”.

Além do esforço de redução de contas Rui Silva garante que o concelho não parou em 2018 e conheceu uma dinâmica que não se via em várias áreas.

A análise da oposição foi bastante diferente. O PSD diz que o executivo conseguiu baixar o passivo em 6,7 milhões de euros, e não 7 milhões como referi o PS, à custa do desinvestimento. Soares Carneiro garantiu que o ativo da câmara municipal diminuiu 8,6 milhões de euros no ano passado.
Leia a notícia completa na edição em papel de 2 de maio de 2019 ou subscreva a edição online.

 

Share This: