CHTS quer reduzir tempo máximo de espera para 9 meses até dezembro

Publicado em Publicado por: O Paredense

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) quer reduzir o tempo máximo de espera para os nove meses até ao final de 2020.

Em comunicado, o CHTS garante que após o período de maior incidência da pandemia Covid-19, em que os hospitais suspenderam parte significativa da sua atividade normal nos casos não urgentes, a partir de maio a atividade assistencial foi sendo retomada e o ritmo intenso imposto “vai possibilitar atingir os objetivos definidos para o ano de 2020”.

O CHTS assume que os resultados apresentados nas últimas semanas estão muito próximos dos obtidos nos meses anteriores à pandemia, pelo que se mantém a previsão de que em julho as listas vão estar ao nível de dezembro de 2019, ou seja, 12 meses como máximo de tempo de espera. “Em setembro vão estar reduzidas para o máximo de 11 meses, em novembro, 10 meses, e em dezembro, o máximo definido será de 9 meses”, acrescenta.

O CHTS recorda ainda que no final de 2019 foi possível conseguir listas, para consulta e cirurgia, sem doentes com espera superior a 12 meses, o que em algumas especialidades, nomeadamente Pneumologia, Cardiologia e Urologia, foi “particularmente difícil devido à escassez de recursos humanos”.

Para 2020, as metas do CHTS eram chegar a 31 de dezembro com as listas de espera a não ultrapassar os 12 meses para cirurgia e os 9 meses para consulta.

Mesmo com os efeitos da pandemia, o CHTS prevê que, no final de 2020, as listas de espera vão apresentar melhores resultados em comparação com os do ano anterior e melhores resultados do que os objetivos definidos pela tutela.

Share This: