Alexandre Almeida promete uma gestão rigorosa e transparente na autarquia

Publicado em Publicado por: O Paredense
Autarca tomou posse como presidente da câmara de Paredes, prometendo mudar o paradigma do concelho.

Autarca tomou posse como presidente da câmara de Paredes, prometendo mudar o paradigma do concelho.

Alexandre Almeida tomou oficialmente posse como presidente da câmara municipal de Paredes na presença de centenas de paredenses que assistiram à cerimónia de instalação dos novos órgãos autárquicos, no passado dia 21 de outubro, no pavilhão municipal de Paredes.

No momento em que dirigiu as primeiras palavras aos munícipes na qualidade de presidente da autarquia, Alexandre Almeida assumiu a responsabilidade de praticar a verdade, tratar todos com imparcialidade e equidade, ser próximo e disponível e defender os interesses do concelho de Paredes.

 “A vossa presença significa exigência e incentivo, participação e interesse”. “Tudo farei para cumprir os princípios, as ideias e os compromissos que anunciamos publicamente e que constituem a base da mudança que foi maioritariamente votada”, disse às centenas de pessoas presentes.

Para cumprir a mudança com rigor, trabalho, dedicação e verdade Alexandre Almeida pediu a participação de todos. “Queremos que cada paredense, na medida das suas capacidades, participe e seja parte do governo municipal. Um governo que precisa de ser reinventado para cumprir a mudança”.

“O concelho de Paredes precisa de todos. Queremos que cada paredense tenha uma palavra a dizer sobre o nosso futuro coletivo”, frisou o edil. Alexandre Almeida disse que o concelho precisa da irreverência e criatividade dos jovens, da sabedoria dos mais velhos, da coragem empreendedora dos empresários, da capacidade e competência dos trabalhadores, dos funcionários e colaboradores do município, dirigentes de clubes e associações e dos presidentes de junta. Mas também do contributo dos cidadãos, tanto dos que vivem nos meios urbanos como nos meios mais rurais do concelho.

O novo executivo municipal quer colocar Paredes no caminho da prosperidade e do desenvolvimento sustentado, quer criar condições de qualidade de vida e bem-estar comum e dar resposta aos problemas que impedem a esperança de um futuro melhor.

“Queremos um concelho com coesão social e igualdade de oportunidades. Um concelho moderno, aberto ao mundo e ao futuro”, disse o novo líder da autarquia, prometendo defender a política do trabalho sério por Paredes e pelos paredenses, defender a verdade, transparência, rigor e autenticidade, na promoção da solidariedade, da inclusão, da justiça, da liberdade e da responsabilidade social.

Novo presidente prometer avançar com uma auditoria aos centros escolares

– As falhas serão depois comunicadas às entidades competentes

 

No centro das políticas do novo executivo liderado por Alexandre Almeida estará a educação, apontada como um dos pilares fundamentais para o desenvolvimento sustentado, a coesão social e a igualdade de oportunidades.

“Queremos ter as melhores escolas do país. Já as podíamos ter, mas infelizmente não temos. E queremos ter os melhores alunos do país”, sustentou o edil, prometendo desde logo fazer uma auditoria e um levantamento rigoroso e pormenorizado de todos os problemas existentes nos centros escolares.

“É inaceitável que os nossos centros escolares, apesar de novos, apresentem gravíssimos problemas de conceção e construção que põem em causa o bem-estar e a saúde de toda a nossa comunidade escolar” criticou o autarca.

Neste processo o executivo vai querer ouvir também os técnicos, pais, professores, alunos e presidentes de junta. As falhas serão posteriormente comunicadas às entidades competentes e serão encontrados meios financeiros para dar as respostas necessárias.

“Tendo as melhores escolas e os melhores alunos, estaremos a dar um enorme contributo para o desenvolvimento do concelho e do país”, disse depois Alexandre Almeida, reafirmando também o compromisso de comparticipar a compra dos livros escolares até ao 12.º ano de escolaridade já em novembro.

A alteração orçamental que vai permitir estes pagamentos foi aprovada na última quinta-feira, na primeira reunião de câmara. O executivo pretende ainda que o estudo de línguas estrangeiras, com destaque para o inglês, seja uma realidade já no próximo ano letivo desde o 1.º ano de escolaridade.

A ideia, segundo Alexandre Almeida, é preparar esta nova geração de paredenses para o grande desafio da globalização. O mesmo acontece com o tecido empresarial do concelho, que o presidente da câmara prometeu também apoiar. O objetivo é criar as condições necessárias para que Paredes seja um dos principais polos industriais da Área Metropolitana do Porto.

“Precisamos de ampliar e modernizar os parques industriais para atrair mais empresas. E vamos inscrever no orçamento de cada ano uma verba para apoiar os pequenos e médios projetos empresariais lançados por jovens”, adiantou o autarca. Outras das medidas passam por “diminuir o mais possível” a carga fiscal sobre as empresas e reduzir a taxa do IMI.

“Não haverá obras para a campanha eleitoral”

– Alexandre Almeida deixou críticas ao anterior executivo, que acusou de má gestão

 

Centenas de paredenses assistiram à cerimónia de instalação dos novos órgãos autárquicos, no pavilhão municipal de Paredes.

Centenas de paredenses assistiram à cerimónia, no pavilhão municipal

Apesar de este ser o tempo de traçar novas metas para o futuro, Alexandre Almeida não se inibiu também de censurar a forma como a autarquia foi gerida nestes últimos anos e as inaugurações de “última hora” feitas por Celso Ferreira no último dia do mandato.

“Uma organização que lança mais de uma centena de obras em período eleitoral e que inaugura obras no último dia só pode ser mal gerida”. “Como podem estas obras ser fiscalizadas como deve ser? Quanto custam a mais estas obras? Que garantias temos de uma execução de qualidade?”, questionou Alexandre Almeida.

A propósito, o autarca sublinhou ainda que “uma organização mal gerida” e que “constantemente acumule dívida” não só gera descrédito como é incapaz de ser motor de desenvolvimento e um exemplo para as empresas e para as famílias. Por isso, o novo presidente da câmara de Paredes adiantou que uma das suas prioridades será fazer uma “gestão rigorosa, transparente, eficaz e eficiente da câmara municipal”, com vista a reduzir o “passivo colossal” herdado do anterior executivo, sem que isso impeça as respostas ao que é essencial

Alexandre Almeida disse ainda que na sua gestão “não haverá obras para a campanha eleitoral”, mas sim obras durante todo o mandato. O autarca propõe-se também a resolver problemas simples de gestão do dia-a-dia, como manter até mais tarde a iluminação nas zonas próximas às estações de caminhos-de-ferro, aumentar o número de contentores e melhorar a recolha de resíduos em determinadas zonas do concelho.

Além de Alexandre Almeida foram eleitos para o executivo municipal: do PS, Francisco Leal, Beatriz Meireles, Paulo Silva e Elias Barros. Do PSD, Rui Moutinho, Manuel Fernando Rocha, Hermínia Moreira e Filipe Carneiro.

Além de Alexandre Almeida foram eleitos para o executivo municipal: do PS, Francisco Leal, Beatriz Meireles, Paulo Silva e Elias Barros. Do PSD, Rui Moutinho, Manuel Fernando Rocha, Hermínia Moreira e Filipe Carneiro.

Manter um contacto próximo com todas as freguesias é outra das prioridades do novo presidente Alexandre Almeida, que pretende aproveitar as visitas às freguesias para identificar problemas que podem ser resolvidos de imediato.

Perante a convicção de que a cidade de Paredes precisa de um programa específico de animação, Alexandre Almeida compromete-se a reforçar a vida e o comércio da cidade, para que sejam fatores de desenvolvimento sustentado.

O projeto passará, em parte, pela reconversão do antigo pavilhão gimnodesportivo num moderno espaço multiusos.

Alexandre Almeida prometeu ainda dar “particular atenção” à zona sul do concelho. “Em vez de cidades inteligentes, iremos pela primeira vez conceber um plano de gestão florestal que defenda e promova a riqueza florestal do sul do concelho e a previna contra o terrorismo dos incêndios”, assumiu.

Lembrando os acontecimentos recentes que marcaram o país, o presidente da câmara de Paredes assegurou ainda que as zonas industriais devem ter uma rede de água para apoiar os bombeiros do concelho.

 

Leia a reportagem completa na edição em papel de 2 de novembro de 2017 ou subscreva a edição online.

Share This: