Adeptos estragam jogo, onde jogadores dão o exemplo

Publicado em Publicado por: O Paredense

Texto escrito por Cristina Borges.

A partida entre Aliados e Rebordosa abriu a sétima jornada da Divisão Elite. Os dois emblemas defrontaram-se na noite de sábado, permitindo assim a “uma casa bem composta” no Estádio Cidade de Lordelo.

A equipa da casa entrou melhor no encontro e reverteu a superioridade para a eficácia, no que aos golos diz respeito. Aos 30 minutos, Hélder inaugurou o marcador, aos 37 minutos, bisou e colocou o conjunto orientado por Juvenal Brandão a vencer por 2 – 0.

A inferioridade no marcador obrigou os rebordosenses a “correr atrás do prejuízo” e a reduzirem a diferença ainda ante do intervalo. Pipo cobrou o livre que fez o 2 – 1 antes da ida para o período de descanso.

Na segunda parte, o Rebordosa conseguiu empatar a partida por intermédio de Ricardo Teixeira. Até ao final da partida, oportunidades para ambas as equipas mas a faltar a assertividade na hora de finalizar.

O empate a duas bolas foi o resultado final, num jogo onde os principais intervenientes se mostraram à altura. Jogadores e treinadores deram um exemplo de fair-play contrariamente ao que se passou fora das quatro linhas.


Autocarro do Rebordosa apedrejado à cidade do estádio

Quando já nada fazia prever, o autocarro que transportava os jogadores, treinadores e alguns dirigentes do clube foi apedrejado mesmo à saída do Estádio Cidade de Lordelo.

A equipa preparava-se para regressar a casa quando um grupo de cerca de seis elementos lançou um paralelo que partiu um dos vidros da viatura. O autocarro parou mais à frente com o objetivo de chamar as autoridades, que já tinham abandonado o recinto, quando se juntou um maior número de indivíduos que, de imediato, começaram a arremessar os paralelos que estavam por perto e a atirar ao autocarro. A viatura seguiu então em direção ao posto da GNR de Lordelo onde apresentou queixa.

Sobre o incidente, Tito, treinador adjunto do Rebordosa, que se encontrava dentro do autocarro explicou “que é uma situação nada agradável, até porque o jogo tinha decorrido dentro da normalidade e não seria de prever que isto acontecesse”. O técnico explicou ainda “felizmente ninguém se magoou, mas pelo tamanho das pedras, isto poderia ter corrido muito mal”. Tito destacou “a união do grupo” para ultrapassar um episódio “que poderia ter consequências muito graves”.

Também o presidente do Rebordosa lamentou a situação e lembrou a ocorrência e salientou que este tipo de comportamentos não são da responsabilidade do clube, mas sim dos próprios indivíduos e das autoridades: “É de lamentar e é muito triste o que se passou. Estas pessoas usam o nome do clube para passarem os seus problemas e as suas frustrações para os jogos. Estes indivíduos têm de ser penalizados, mas mesmo fortemente penalizados, para evitar que estas situações se repitam. Esperamos que seja feita justiça”. Joaquim Barbosa acrescentou ainda “Já dentro de campo, acho que os adeptos deviam ter sido repreendidos devido aos cânticos e às bombas de fumo lançadas durante o jogo”.

Do lado do Aliados de Lordelo, Filipe Carneiro demarcou-se da situação e garante que “o clube não se revê no comportamento destas pessoas”.

Share This: